(11) 4372-5907

Busca Avançada

O resutado deve conter:
exatamente a expressão que foi definida no campo acima em seu conteúdo
pelo menos uma das palavras que foram definidas no campo acima em seu conteúdo
cada uma das palavras que foram definidas no campo acima em seu conteúdo

Buscar em:
Notícias Conteúdo Vídeos Galerias de imagens Tudo

Notícias

15/08/2016 - Atualizado em 15/08/2016 às 10:14:35

O que fazer antes de passar a faca

Embora cortar pessoas seja o caminho mais comum para reduzir os custos, a medida nem sempre é a mais inteligente

Luciana Lima

 

A economia brasileira encolheu quase 4% no ano passado, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a maior queda desde que a pesquisa começou a ser feita, em 1996. Nesse cenário, aumenta a pressão por resultados e corte de custos. E a demissão acaba sendo a alternativa mais comum encontrada pelos empresários para garantir a sobrevivência da companhia.

Com previsões ainda pessimistas para 2016, os cortes devem continuar. Um estudo com 679 executivos de grandes organizações, realizado pela consultoria BTA, em abril, aponta que 58% dos líderes de empresas planejam redução de pessoal para este ano. A atitude, embora necessária para alguns negócios, nem sempre é a decisão mais inteligente. “Isso acaba se tornando uma tendência em época de crise e muitas vezes o processo é feito sem uma análise mais profunda. Cortam-se pessoas sem entender o impacto que isso efetivamente tem para o negócio”, diz Josué Bressane, sócio-diretor da Falconi Gente, consultoria especializada em gestão de pessoas.

Além de perder talentos valiosos, que seriam fundamentais em época de times enxutos, os cortes afetam a motivação dos funcionários e, consequentemente, sua produtividade — que já são menores em tempos de crise. “A regra de ouro é cortar pessoas apenas em último caso. Antes disso, é preciso analisar dados, orçamentos e rever processos, que sempre podem ser otimizados”, afirma John Cymbaum, sócio da Bizup, consultoria especializada em melhorar resultados financeiros das corporações.
O desafio não é dos mais fáceis. Embora raras, já existem empresas que estão olhando de forma mais analítica para a área de recursos humanos e encontrando soluções para reduzir o orçamento da mão de obra. Antes de passar o facão, veja algumas dicas a seguir.

Olhe para dentro

Com times enxutos e ordem para reduzir os gastos com horas extras, melhorar a produtividade do funcionário é outra palavra de ordem. Processos lentos, chefes ruins e até a rotatividade do time são fatores que influenciam a forma como os trabalhadores realizam suas tarefas. O problema é que muitas vezes o gestor se preocupa apenas em cortar pessoas, mas esquece de olhar para questões que podem fazer a companhia sangrar.

Para perceber seus pontos fracos, Jorge Jubilato, que assumiu a diretoria de recursos humanos do Roldão Atacadista há quatro meses, lançou mão de dados e analisou os indicadores das 27 lojas no estado de São Paulo. Percebeu que a rotatividade estava alta (em 5,5% ao mês), que as demissões eram maiores que os pedidos para sair, e que elas aconteciam sem um acompanhamento próximo do RH. Em vez de as pessoas serem dispensadas por baixa produtividade, muitas vezes o eram por antipatia dos gestores. 

“Tornamos o processo mais rigoroso. Procuramos saber quais atitudes o gestor tomou antes de partir para o desligamento e agora todos os casos precisam ser justificados”, diz Jubilato. Além disso, o RH fez um estudo para saber quais lojas tinham mais movimento e, portanto, precisavam de uma equipe maior. Com essa redistribuição, e as demissões mais rígidas, conseguiu uma redução de 30% no turnover do Roldão e uma economia de 2 milhões de reais ao ano.

Paralelamente a isso, Jubilato também centralizou o processo de seleção em três lojas (antes, cada unidade cuidava da seleção e do recrutamento do pessoal), que, por estarem localizadas estrategicamente em algumas regiões de São Paulo, contratam para os outros 20 estabelecimentos. “Assim, o time de RH não precisa se locomover entre uma loja e outra, além de aproveitarmos melhor os currículos deixados pelos candidatos”, diz. Além de mais ágil, o processo também ficou mais assertivo e as contratações pularam de 120 para 200 por mês.

Repense os treinamentos

Depois do corte de pessoal, a redução em treinamentos é a segunda medida mais adotada pelos gestores de recursos humanos para diminuir os gastos. Considerados perfumaria por boa parte dos líderes, os processos de capacitação são facilmente descartados. “Reduzir os cursos é um desinvestimento, pois diminui a produtividade quando você mais precisa aumentá-la, porque está com menos gente”, diz Bressane, da Falconi. Em vez de acabar com o desenvolvimento, os consultores recomendam às companhias um planejamento mais específico, usando recursos internos. “Melhor ter programas direcionados para as competências que o momento de recessão exige”, afirma Marcelo Ferrari, diretor de novos negócios da consultoria Mercer.

Foi o que fez a MAN Latin America, fabricante de caminhões do grupo Volkswagen, que recebeu a ordem de zerar a verba de treinamento. Sabendo que a medida geraria insatisfação do pessoal, a equipe de RH criou um programa para multiplicar internamente os conhecimentos, no qual os próprios funcionários passaram a transmitir o que sabiam de técnico e comportamental. Cerca de 60 profissionais se inscreveram para ser multiplicadores. “Quando cada um deles atinge 32 horas de treinamento ganha um voucher de 2 000 reais para realizar uma capacitação externa, com a missão de voltar e partilhar o que aprendeu com os colegas novamente”, diz Lineu Takayama, diretor de recursos humanos. A iniciativa trouxe duas vantagens. Além de reduzir os custos com treinamentos, que chegavam a cerca de 1 milhão e meio de reais, a MAN consegue desenvolver habilidades de liderança nos trabalhadores e melhorar o relacionamento entre as áreas.

Na SAP Brasil, empresa de sistemas corporativos, a solução foi reduzir os treinamentos presenciais — que muitas vezes exigiam viagens dos funcionários —, e aumentar os cursos virtuais, com aulas por telepresença ou mesmo pelo Skype. “Todo empregado tem um notebook com câmera e com sistema de mensagem instantânea instalado, então é possível criar subgrupos, enviar perguntas e promover debates online”, diz o diretor de RH Marcelo Carvalho. A ação já resultou em uma economia de 24% no gasto com capacitação da mão de obra da SAP.

Corte com moderação

Em alguns setores, principalmente os mais afetados pela queda de produção, como varejo e indústria, não há alternativa além de restringir o quadro de funcionários. Mesmo assim, sempre que possível, é melhor adiar os cortes em massa utilizando recursos permitidos por lei, como terceirizações, demissões voluntárias ou licenças. Nessas horas, é preciso uma comunicação transparente e um processo inteligente — que seja realizado rapidamente e de uma vez.

Na MAN, mesmo com as ações usadas para reduzir custos em 2012, medidas mais duras foram necessárias para compensar a perda de 20% da produção no ano passado. “O ano de 2013 foi ruim, 2014 foi pior e 2015 foi um desastre. Nossa produção caiu de 200 000 veículos, em 2012, para 20 000, em 2015”, diz Takayama. Em 2014, a fabricante já tinha parte de seus 3 300 trabalhadores no modelo de lay-off, no qual as pessoas são afastadas por até cinco meses, recebem uma ajuda de custo do governo e são capacitadas pela companhia durante esse período, com treinamentos de 50 horas para cada colaborador. No ano seguinte, mesmo pressionado para realizar cortes, Takayama convenceu a diretoria a reduzir em 10% tanto a jornada quanto o salário dos empregados.

Com a perspectiva de que as coisas não melhorariam em 2016, Takayama aproveitou o recém-lançado Programa de Proteção ao Emprego (PPE), anunciado pelo governo federal no final do ano passado, e voltou a negociar com a diretoria e os funcionários. Dessa forma, 3 000 empregados da montadora tiveram suas horas de trabalho reduzidas em 20%. 

O governo arca com 900 reais e a MAN completa o restante da conta. O modelo pode ser aplicado por até um ano (o lay-off só vale por cinco meses). Nesse período, o pessoal continua com os benefícios, como o plano de saúde, por exemplo, e a companhia recolhe INSS e outros tributos, ao contrário do lay-off. “Acreditamos que essa é a forma mais respeitosa de tratar os profissionais e nos preservamos para quando o volume de produção voltar”, conclui Takayama.

 


Fonte:http://vocerh.uol.com.br/noticias/acervo/o-que-fazer-antes-de-passar-a-faca.phtml#.V7G1alsrI2y

Notícias Relacionadas