(11) 4372-5907

Busca Avançada

O resutado deve conter:
exatamente a expressão que foi definida no campo acima em seu conteúdo
pelo menos uma das palavras que foram definidas no campo acima em seu conteúdo
cada uma das palavras que foram definidas no campo acima em seu conteúdo

Buscar em:
Notícias Conteúdo Vídeos Galerias de imagens Tudo

Notícias

02/01/2018

Consumo das famílias vai crescer 5% no Brasil em 2018

A previsão é de estudo feito pelo banco Santander


 
A combinação entre a alta da renda proporcionado por inflação mais baixa e um menor endividamento das famílias deve liberar R$ 124,2 bilhões a mais para o consumo em 2018, aponta estudo do Santander obtido pela Folha de S. Paulo.


A quantia é mais do que o dobro do volume adicionado à economia pela liberação das contas inativas do FGTS, de R$ 44 bilhões) e pela antecipação do pagamento de PIS/Pasep para cotistas, de R$ 16 bilhões, em 2017. Com o impulso, diz o economista-chefe do Santander, Maurício Molon, a previsão é que o consumo cresça pelo menos 5% em 2018. "A mensagem é que 2018 vai ser o ano de consumo", diz.

Confirmada, a alta de 5% dos gastos das famílias garante, sozinha, expansão de quase 3% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2018, diz Molon. O componente representa cerca de 66% da economia.

Dos R$ 124,2 bilhões em recursos adicionais, R$ 87,2 bilhões virão de um aumento da massa salarial ampliada -que inclui os salários pagos, transferências previdenciárias e programas sociais.

Outros R$ 37 bilhões serão liberados pelo efeito de juros menores sobre dívidas.Em suas contas, Molon considerou que essa massa salarial ampliada deve repetir a alta ao redor de 3% observada em 2017, enquanto o percentual da renda comprometida com juros deve ser 1,5 ponto percentual menor do que em 2017, repetindo a queda dos últimos anos.

O cenário desenhado depende da disposição do consumidor em gastar esses recursos. Segundo Molon, ainda que lento, o processo de recuperação da renda e do emprego está consolidado. Além disso, o consumo é menos sensível ao processo eleitoral e às incertezas externas.

Acima de 5% 
Molon não descarta, no entanto, que a alta de 5% prevista para o consumo das famílias em 2018 seja um piso. Ter partido de projeções que considera conservadoras para chegar aos R$ 124,2 bilhões adicionais, diz ele, dá espaço para surpresas.

Somado a isso, expectativa de redução da poupança feita por algumas famílias para atravessar os momentos mais difíceis da crise deve dar mais gás à expansão.
Molon explica que, embora tendam a andar colados, nos últimos dois anos o consumo caiu quase 8%, enquanto a renda ficou mais ou menos no zero a zero.
"É possível dizer que parte do que não foi consumido foi poupado", diz ele.

Estimativas do economista apontam que os gastos do consumidor, que costumavam oscilar entre 90% e 93% da renda, caíram para 80% da renda em 2017— o que, aos poucos, deve ser retomado.

Quanto às projeções de endividamento menor, Molon admite que a queda da taxa Selic não chegou ao bolso do consumidor de forma proporcional, mas lembra que há defasagem entre os fenômenos.

Por isso, mesmo que o Banco Central pare de reduzir a Selic em fevereiro, como esperado pelo mercado, o processo de queda dos juros ao consumidor deve seguir ao longo do segundo semestre. Para o economista, o mais importante é que o comprometimento da renda com encargos financeiros caiu de 22,4% em maio de 2016 para 20,4% atualmente, o que representa "disponibilidade de recursos na veia".

Fonte: Folha de S. Paulo

Notícias Relacionadas